• Contactos

    MORADA:
    Quinta do Vale da Lama,
    EM534 Vale da Lama, Odiáxere
    8600-258 Lagos, Portugal

    CASA VALE DA LAMA
    Eco Resort
    Telf: 282 764 071
    Geral: info@valedalama.net
    Inscrições: registration@valedalama.net
    Voluntários: info@projectonovasdescobertas.org
    www.casavaledalama.com

    CAMPO DO VALE (PND)
    Telf: 282 792 673 e 960 387 350
    Email:
    info@projectonovasdescobertas.org
    www.projectonovasdescobertas.org

  • Formulário de Contacto

    Thanks!

    Obrigado

    Required fields not completed correctly.

  • Mapa de Localização

    COORDENADAS GPS
    Lat: 37º8’25,2887″ (37.14035815116748)
    Long: 8º37’56,16119″ (-8.632267342300452)

Agricultura Regenerativa

A quinta acolhe uma grande variedade de atividades de aprendizagem e trabalho numa paisagem dinâmica composta por campos, pastagens, jardins, pomares, matas e orlas de floresta. Estende-se desde a foz da Ria de Alvor até ao topo de uma colina com vista sobre a costa algarvia.

Na Quinta do Vale da Lama a Agricultura Regenerativa pretende trabalha com as formas da natureza para criar e sustentar uma quinta produtiva que proporciona um trabalho significativo e interrelações entre animais e pessoas ligadas à quinta. Respeita a ecologia nativa estimulando a biodiversidade e criar habitat para a vida selvagem local.

A quinta, do ponto de vista da agricultura regenerativa, é um ecossistema dinâmico e vivo que faz parte de todo um ecossistema bioregional que o rodeia. As éticas da Permacultura: cuidar da terra, cuidar das pessoas, e distribuição equitativa dos excedentes, ajudam a criar o âmbito do projeto e garantir a integridade do mesmo. Os princípios de design da Permacultura que olham para a natureza para informar o trabalho na terra, são utilizados como ferramentas que orientam as ações dentro do projeto. Isto significa que a componente operacional da quinta como a compostagem, agricultura, processamento e cozinha estão inter ligadas; conservar energia e reduzir o trabalho, criar ciclos de matéria para minimizar desperdício e poluição. Significa também que a quinta visa produzir produtos e serviços locais relevantes para a bioregião da qual faz parte. Desta forma, vários projectos na quinta, desde hortas a pomares, da regeneração paisagística a processamento das colheitas em produtos atrativos, agem em conjunto para regenerar paisagens, estimular relações saudáveis entre pessoas e contribuir para uma economia local resiliente.

Uma das formas mais importantes de regeneração da paisagem é com os animais. No frágil ecosistema mediterrânico animais como ovelhas, cabras e vacas desempenham um papel crucial quer na erosão e destruição da paisagem, quer na estimulação e regeneração do mesmo. O ecologista de vida selvagem Alan Savory desenvolveu o Planeamento Holístico da Paisagem essencialmente como ferramenta para trabalhar com animais de rebanho para fins regenerativos. A Gestão Holística dá uma visão sobre os principais fatores que compõem um ecossistema saudável e ajuda a fazer estratégias eficazes para o planeamento, implementação e manutenção.

O Vale da Lama trabalha com um pequeno rebanho permanente de ovelhas e uma manada migratória de vacas. Estes animais desfrutam da criação ao ar livre e trabalham na construção de solo para revitalizar a terra; demonstram assim a eficiência do Planeamento Holístico de Pastagem e, para além disso, inspiram outros agricultores a utilizá-la como ferramenta especialmente aplicada nas paisagens frágeis do clima mediterrâneo. Quando utilizados corretamente, os animais de rebanho podem salvaguardar da desertificação muitas das terras áridas actualmente geridas de forma imprópria.

Uma das estratégias fundamentais consiste no estabelecimento de policulturas perenes, conhecidos como jardins florestais ou sistemas agroflorestais. Estes produtivos sistemas florestais são compostos por uma diversidade de espécies complementares que vivem durante muitos anos, e ocupam camadas distintas no espaço tridimensional da arquitectura florestal. Sistemas agroflorestais pode ser tão simples como sebes de culturas de árvores com culturas anuais na camada abaixo, e tão complexo como uma orla florestal com multi camadas e espécies diversas. Estes jardins florestais exigem pouca ou nenhuma perturbação do solo, minimizando a erosão e incentivando a vida (no solo) a prosperar, enquanto produzem uma variedade de culturas e produtos para colmatar necessidades de subsitência alimentar.

Em 2011 o suiço Ernst Gotsch, que transformou um deserto de 500 Ha em floresta tropical clímax no Brasil, veio ao Vale da Lama e facilitou a criação de um Bosque Alimentar demonstrativo específico para o bioma mediterrâneo português. Além disso, o Vale da Lama acolhe vários pomares de figueiras, laranjeiras e amêndoeiras que estão lentamente a ser transformados em sistemas agroflorestais de múltiplas espécies e camadas. O estabelecimento de um viveiro florestal abriu ainda mais oportunidades para propagar plantas úteis para a criação de florestas produtivas.

Podem existir tantas maneiras de fazer agricultura como existem agricultores. A Agricultura Biodinâmica* enfatiza os ciclos naturais e utilização de recursos biológicos. Esta forma de agricultura evoluiu do movimento Antroposófico criado por Rudolph Steiner, em grande parte debruçado sobre formas tradicionais de agricultura que já haviam resistido ao teste do tempo. Agricultura Biodinâmica observa de perto os ciclos da natureza para definir as suas ações. Em vez de focar-se na elevada produtividade, centra-se em solos saudáveis. Em vez de depender de inputs artificiais, tais como pesticidas e fertilizantes químicos, utiliza inputs biológicos feitos a partir de adubo animal e plantas.

A Agricultura Regenerativa implementou uma horta-mercado com base em princípios biodinâmicos – as Hortas do Vale. Esta horta tem substituído muitos dos sistemas de produção hortícolas anteriores e é projetada para produzir alimentos básicos para Casa Vale da Lama EcoResort, restante consumo interno e ainda produzir para cerca de 25 famílias. O projeto é entusiasticamente conduzido pelo agricultor italiano Mattia e é um projecto pioneiro em termos de aproximação à comunidade e fornecimento de alimentação local fresca e densamente nutritiva. Ao longo dos próximos meses famílias e indivíduos podem inscrever-se para receber cabazes de vegetais que podem ser coletados semanalmente na quinta.

*O termo Biodinâmica é certificado pela associação dos agricultores biodinâmicos Demeter com a finalidade de manter os padrões de produção utilizados tanto na agricultura como no processamento de alimentos. Este projeto é inspirado pela Biodinâmica, mas não é oficialmente certificado pela Demeter. Tem o objetivo de proporcionar os padrões de qualidade de produção exigidos.

Projeções feitas pela Organização das Nações Unidas sobre a segurança alimentar mundial, prevêm que a sustentabilidade alimentar só é realmente possível ao nível local, feita por pequenos agricultores. Desta forma, a qualidade dos alimentos pode ser assegurada, a coesão social aumenta e são criados mais postos de trabalho locais ligados à alimentação e ao seu cultivo. Uma forma de estimular iniciativas agrícolas locais é através da Agricultura Suportada pela Comunidade ou ASC. ASC é tanto uma operação de produção alimentar viabilizada pela comunidade, como também uma comunidade suportada na sua alimentação saudável pela agricultura local.

O Vale da Lama produz todos os anos uma colheita abundante dos seus jardins, hortas e pomares, que são ou para consumo directo ou transformados em saborosos produtos alimentares. Esta comida é produzida para os clientes e vendida no mercado local de Lagos todos os Sábados. Além disso o Vale da Lama acolhe um projeto de hortas em modelo ASC liderado pelo agricultor biodinâmico Mattia Loreggian, atualmente projetado para fornecer para muitas das necessidades alimentares de até 50 famílias vizinhas. A visão do Vale da Lama envolve o crescimento contínuo da produção local de confiança de alimentos densamente nutritivos, estimular e promover a economia local através da Agricultura Suportada pela Comunidade e fornecer o suficiente para a maioria das suas próprias necessidades alimentares, bem como a de um número crescente de pessoas da comunidade local.

Faz parte de uma quinta produtiva e regenerativa a venda de produtos saudáveis oriundos de boas práticas agrícolas. Para ter sucesso deve também provar a sua viabilidade financeira e a sua capacidade de fornecer aos consumidores os mesmos tipos de produtos que consomem, produzindo-os de uma boa forma. Os produtos Vale da Lama são feitos a partir de colheitas dos pomares, jardins e hortas. Estas colheitas são transformadas em produtos saborosos de alta qualidade como chutneys, compotas, pastas, condimentos, molhos, licores, vinagre e picles. Além disso, tem ainda uma variedade de sabonetes e detergentes ecológicos, chás de ervas aromáticas e frutos secos. Todos os produtos contêm ingredientes de grande valor, cuidadosamente escolhidos pela sua alta qualidade, e são artesanalmente feitos com amor e carinho.

A Agricultura Regenerativa na sua essência é uma iniciativa social e trabalhar com a terra é para muitos uma atividade inerentemente significativa e gratificante. Para melhor entender isso surgem as palavras de Masanobu Fukuoka, o pai da Agricultura Selvagem, que afirmou: “A agricultura não é tanto sobre o cultivo de plantas, mas sobre o cultivo e aperfeiçoamento dos seres humanos“.

A Agricultura Regenerativa na Quinta do Vale da Lama está em contínua evolução e nessa jornada reúne pessoas de diferentes esferas de ação. A quinta oferece a oportunidade de se juntarem a uma experiência interessante e fazer parte de uma comunidade de pessoas com interesses comuns; seja através de programas educativos,experiências de trabalho-aprendizagem ou o envolvimento em empreendedorismo e parcerias profissionais. Se estiver interessado em fazer parte desta aprendizagem e comunidade de trabalho ou vê oportunidades de parceria com a quinta e as suas atividades, por favor, entre em contato atravé do email regen@valedalama.net.